quinta-feira, 14 de maio de 2009

MENINA DOS OLHOS TRISTES - Adriano



Video: Youtube

8 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Conheci esta música, gostava e ainda gosto muito dela, traz lembranças boas...
abraço e bom final de semana

Carmem disse...

"...Menina dos olhos tristes o que tanto a faz chorar, o soldadinho não volta, do outro lado do mar..."

Victor...que música bonita e triste!... Gostei muito dessa página...fala em liberdade...poemas lindos!...Fala do Abril...muito bonita mesmo!

Beijo

Obrigada pelo carinho que tens demonstrado em minha página!

CANTACLARO disse...

Víctor,

Ya te he dicho la afinidad que tengo con esta música. Se mete en mi alma, me conmueve hasta el llanato.

Muitos beijos meu amigo,

Ana Lucía

.

Luis F disse...

Amigo Victor, vim conhecer o teu espaço e retribuir as suas amigas palavras.

Um dia passarei pela Gulbenkian

Um abraço
Luis

Mário Margaride disse...

Querida amigos:

As saudades eram muitas, sentia a falta de escrever, de vos sentir, da vossa amizade. Mas era muito importante para mim este espaço de reflexão, esta paragem.

Muito obrigado, pelo apoio, pelo carinho e compreenção manisfestados, ao longo destes dias de ausência.

Bem hajam!

Beijos e abraços com muita amizade.

Mário

Mário Margaride disse...

Amigo Victor:

Bela música do Adriano. Tal como o Zeca, Adriano estará para sempre dentro de nós.

Um excelente fim de semana!

Abraço!

Mário

Sonia Schmorantz disse...

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.

A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.

Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.

Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.

Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...

Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!

Autor: Paulo Santana

Um lindo final de semana!
Abraço

Regina Fernandes disse...

Victor a música é linda. Gostei demais.
Bjs