segunda-feira, 8 de março de 2010

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 

Este poema eu fiz em 1990. Sofreu depois uma ligeira modificação na forma, mas não no conteúdo. Aqui fica a minha homenagem a todas as mulheres do Mundo.


Mulher.
Desejava caminhar ao teu lado,
a cada passada marginal da tua vida.
Acompanhar o sentir do teu sofrer,
conhecer as ruas da tua vida,
na vida das tuas ruas.
Saber quem tu és,
penetrar dentro de ti,
sentir o teu gosto, o amargor,
das horas do teu trabalho,
do teu suor.

Gostava de acompanhar-te
nos olhares lascivos dos homens,
quando caminhas bamboleando
as ancas dançarinas de mulher-marginal.
Na hipocrisia social,
dos costumes e da moral.
Na realidade diária,
sentindo na ferida aberta,
as bermas de um rio de sangue,
que corre nas margens das tuas mãos.
Nas lágrimas de sal,
de ser mulher,
de ser marginal.

Desejava acompanhar a exploração do teu trabalho,
a descriminação do teu sexo e do teu corpo.
A inflação que escala em torno da tua vida,
que corrói o talher da tua mesa.
Mulher trespassada nas ideias,
nos conceitos,
no ser mulher sem ser,
mulher que é vento.
Eu gostava de ser como tu,
Mulher-marginal,
sem espaço ou tempo.

Eu desejava ser como tu,
mas não posso.
Eu sou homem.
Homem sem ser,
homem que é vento.
Homem marginal
do espaço e do tempo.

Castelo Branco, Março de 1990

Texto: Victor Gil

Fotografia: Internet (Google Imagens)

10 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
linda homenagem, num lindo poema.
Obrigada, pela parte que me toca.

Beijinhos com carinho

Sonhadora

angela disse...

Um poema lindo.
Obrigada
beijos

EDUARDO POISL disse...

Linda homenagem.

"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios... Por isso, cante, ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos..."
Charles Chaplin

Desejo uma linda semana com muito amor e carinho.
Abraços

Joalex disse...

É preciso não deixar esquecer Abril!
É preciso não deixar esquecer as mulheres que lutaram e morreram pela liberdade!
É preciso não deixar esquecer as mulheres que trabalham em sistemas opressivos!
É preciso não deixar esquecer que, afinal, não está tudo bem!...

Um grande abraço para o meu amigo e Filho da Escola, Victor Gil!

Fernando Santos (Chana) disse...

Caro amigo, belo poema...Espectacular....
Um abraço

Lídia Borges disse...

Lindo!

Só um obrigada... Porque sou mulher...

Layne disse...

Seus poemas são belíssimos e apaixonantes! Que Deus ilumine cada vez mais esse seu lindo dom de escrever com o coração! Abraços!

Gaspar de Jesus disse...

Caro VICTOR GIL
Vim associar-me a esta homenagem às MULHERES DE TODO O MUNDO.
Parabéns pelo belo Poema.
Abraço
G.J.

elisa...lichazul disse...

hombre marginal
de espacio y de tiempo

todo el poema es precioso, pero el último verso encierra vida y esperanza
para un futuro que desafía a salir de esa marginalidad.

besitos de luz
felíz fin de semana Víctor

rouxinol de Bernardim disse...

Meu caro victor Gil:

Esta homenagem é de enaltecer e louvar. Quando a mulher é vítima de discriminação, mau ambiente doméstico, humilhação social, por vezes por motivos fúteis, este brado altissonante faz bem.

Cmpts

rouxinol d eBernardim