quinta-feira, 8 de março de 2012

Flor de Pedra

             Faltam poucos dias para se comemorar o dia em que ela morreu. Portanto a minha homenagem às mulheres neste Dia Internacional da Mulher, vou fazê-lo através de um poema que escrevi em 1993, que dediquei à grande poetisa Natália Correia.


                                                       “Talvez as mulheres sejam monstruosas
                                               porque no fundo só podem amar aqueles que
                                               sofrem. Mas é por isso que elas são sublimes”.

                                                                 (in “Madona”, de Natália Correia)


Por isso foste sublime.
As letras,
de armas tu fazias as batalhas.
Por isso o povo amavas
e sem pudor te desnudavas.

Mulher espontânea dos sonetos.
Uma flor de pedra
de beijos quentes.
Roçando as mãos
profundamente perturbavas.
Abrias as sombras
como as palavras separavas.

Mas flor de pedra,
entre o perfume da loucura
sempre sabias.
Partir os vidros das janelas,
enquanto te despias.


Guarda, 15/03/93

(em memória de Natália Correia, escritora e poetisa)


Texto: Victor Gil
Imagem: Google (Imagens)

3 comentários:

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Sábias palavras que o tempo não passa por elas!
Maravilhoso poema caro amigo, os meus parabéns, assim como a todas as mulheres do mundo e não só hoje, mas em todos os dias da vida!

Abraço

rouxinol de Bernardim disse...

Neste dia da poesia recordar Natália é sempre salutar...

lichazul...elisa disse...

hermoso homenaje Víctor
felicitaciones

un abrazo grande y buena semana