terça-feira, 24 de novembro de 2009

DEPUTADOS

De Abril de 1974 até aos nossos dias, a Assembleia da República, pouco ou nada mudou. Acho que os deputados ficaram um pouco mais coloridos. Sinais dos tempos.



Omitida é a lei,
ilegal.
Decretas a sensatez,
insensata.
Proclamas a Constituição,
inconstitucional.
Provocas a disciplina,
indisciplinada.

Discursas no Parlamento,
parlamentar.
Apoias a votação,
da maioria.
Ignoras quem te elegeu,
elementar.
Acusas a oposição,
de minoria.

Cabeceias sobre o jornal,
são as notícias.
Bocejas de vez em quando,
é natural.
A monotonia te invade,
as leis tão feitas.
Podes dormir descansado,
é imoral.

Segredas com o companheiro,
ou companheira.
Gesticulas de impaciência
e porque não?
Consultas o teu relógio,
que trabalheira.
Reforças com a presença,
a posição.

Mas às vezes está vazio,
o teu assento de napa.
Deves estar à beira rio,
a dar banho à minhoca.


Castelo Branco, 08/06/1989


Texto: Victor Gil
Fotografia: Internet (Google Imagens)

9 comentários:

Joalex disse...

Olá amigo Victor Gil!
Já há algum tempo que não lhe dizia nada, mas não tenho deixado de acompanhar os seus trabalhos, não só neste blogue, mas também no "fotografias que rimam" e na "pedra dos encontros" que criou recentemente. As palavras têm sempre mais encanto e beleza quando são escritas por quem sabe do assunto.
Os meus parabéns pela sua inspiração!
Até breve.

angela disse...

Um poema muito significativa e certos "defeitos" parlamentares parecem ser universais.
beijos

*Lisa_B* disse...

Aplaudo de pé.
Excelent!!!
Bjos

rouxinol de Bernardim disse...

De facto certa maleitas se propagam urbi et orbi... até nos parlamentos.

elisa...lichazul disse...

jajaja me gustó el ironísmo y la certeras imagenes

acá el circo es reparecido jajaja

besitos de luz
felicidades siempre

Meg disse...

Tenho pena que o espírito de união por uma causa justa deixasse de existir, de há uns anos para cá, em que a política se individualizou, através das projecções pessoais,,,,
Perdeu.se o "bestial porreirismo#, as grandes causas....a tolerância.

Ãbraço
Meg

Rafael Castellar das Neves disse...

SENSACIONAL, Victor! Textos de muita qualidade...temas excelentes...e principalmente me agradou a proposta do seu blog!! Dizemos que brasileiros não têm memória...essa é uma boa ideia para aplicarmos por aqui!!

Parabéns!!

Rafael

Mai disse...

Perfeito!
Talvez paradoxos não coubessem em política onde verdade e ética seriam transparência de fina estampa.

Abraços.

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Talvez a oposição, a real oposição, seja sempre uma minoria... Ou será maioria, conciderando-se que cada pessoa é só no mundo e que todas as outras se opoem a ela em vários sentidos, malgrado seresm todas muito parecidas em outros?

Amigo, gostaria de saber mais sobre o 1974, não precisa ser muita coisa, é só algo pra eu me orientar, agora que estou em vias de tornar-me português também.

Claro que eu posso pesquisar em livros ou na internet, mas tu és uma pessoa muito mais esperiente do que eu, e também mais inteligente, então a tua opinião me parece muito importante, até porque pareces ainda muito próximo daquela data.

Sobre este blogue, há que se entrar no espírito da coisa, e eu como brasileiro não sei se sou bem-vindo aqui, por razões óbvias. Mas me faria muito feliz receber de ti uma resposta, amigo. Diz, foi nesta época que acabou a ditadura, em abril de 1974, não foi? Qual foi i processo que levou a isso? Como a população portuguesa foi afetada pelo sistema político que durou até 1974, e quando e por que ele começou? Qual foi a consequência imediata da Revolução, e como ela se deu? Como é Portugal hoje em dia?

Desculpa pela minha ignorância, mas é que nas escolas daqui se fala muito pouco sobre Portugal nas aulas de História ou Geografia, acho que só nas aulas de português é que se menciona um pouco o vosso país, que por uma quatão de amor a uma pessoa que é cidadã portuguêsa, quero também que seja o meu.

Grato desde já pela vossa compreensão. Obrigado.